Protocolo de Montreal.

A indústria da refrigeração tem apoiado os esforços globais para proteção do meio ambiente através da eliminação dos refrigerantes que contém cloro, de acordo com o protocolo de Montreal. Estas ações têm reduzido significativamente o cloro na atmosfera e estão iniciando a reparar os danos na camada de ozônio. Hoje, há uma atenção especial em relação ao aquecimento global e com a redução dos gases causadores do efeito estufa. Dióxido de carbono é de longe o gás que mais gera o efeito estufa, e é produzido primariamente pela queima de combustíveis fósseis para geração de energia elétrica e transporte. Na medida que os equipamentos de refrigeração consomem energia, o dimensionamento dos sistemas de refrigeração e a correspondente escolha dos refrigerantes também contribuem para este aquecimento global. Fabricantes de equipamentos têm melhorado significativamente a eficiência energética, o que resulta em menor produção de dióxido de carbono.Para um refrigerante ser considerado uma opção de longo termo, ele deve obedecer a três critérios - ele deve ser seguro; ele deve ser ambientalmente "amigável" e ele deve produzir excelentes benefícios em termos de performance - desta forma resultando em uma destruição da camada de ozônio nula somada a um baixo Potencial de Aquecimento Global (Global Warming Potential ou GWP). Várias substânias não-halogenadas incluindo amônia, dióxido de carbono e hidrocarbonos, também trabalham como refrigerantes. Todas estas substâncias podem ser refrigerantes viáveis para a aplicação correta se o sistema puder ser projetado para atender a critérios de seleção chave. Fabricantes de componentes e de equipamentos continuam a pesquisar como estes ref rigerantes atuam nestes sistemas. Hidrofluorcarbonos (HFCs) são refrigerantes sem potencial de destruição da camada de ozônio, não inflamáveis, recicláveis, eficientes energeticamente, de baixa toxidade e que são atualmente utilizados com segurança ao redor do mundo. Apesar de que os HFCs são a melhor escolha em termos de economia e do meio-ambiente, a sustentabilidade mundial dos HFCs requer um foco da indústria nas questões ambientais atuais referentes a contenção derefrigera ntes e eficiência energética. Pesquisas mostram que sistemas adequadamente dimensionados, com manutenção adequada e que utiizam refrigerantes HFC possuem o menor GWP total e potencial de destruição da camada de ozônio nulo. Estas são também soluções seguras e eficientes em relação ao custo e que continuarão a nos servir bem no futuro. Neste contexto, as reposições de longo termo para os hidroclorofluorcarbonos (HCFCs como o R-22) que não afetam a camada de ozônio, são também discutidas. A experiência atual mostra que estas alternativas, quando utilizadas em sistemas otimizados, geralmente proporcionam uma performance superior daquela encontrada naqueles que utilizam refrigerantes HCFC em princípio. Outras escolhas de refrigerantes como dióxido de carbono e hidrocarbonos são tam bém disctutidas, bem como seus méritos relativos em relação aos HFCs. Em 1987, através do Protocolo de Montreal, 46 governos acordaram uma redução de 50% na produção e consumo de CFCs até o ano 2000 e congelamento ("freeze") da produção e consumo de halons até 1992. Foram desenvolvidas substâncias alternativas não destruidoras da Camada de Ozônio, ou pelo menos com um potencial de destruição muito menor do que as antigas. Começou-se a fazer uso de água, dióxido de carbono, hidrocarbonos, além de HCFCs. Fonte: Emerson Climate.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dúvidas? Sugestões? Fale com o Professor Carlão!

Leia também...

"Mais um dia se passou e não usei isso pra nada". Será mesmo!?

A imagem abaixo vem circulando nas redes sociais com a [despretensiosa] conclusão de que vivemos sem a necessidade da fórmula que calcula o...

Cadastro

Cadastre-se para receber postagens atualizadas:

Digite seu Email

EnviarFeedBurner