14/12/2013

O que é Válvula de Disco com Mola Espiral?

Trata-se de uma Válvula de Retenção do tipo Disco com Mola Espiral, seu centro guiado permite uma excelente vedação e uma maior durabilidade do elemento vedante! 



Sua aplicação pode variar desde fluidos líquidos a fluidos gasosos, como vapor ou ar comprimido. Para a vedação de sistemas de ar comprimido, o elemento vedante mais eficiente é a borracha nitrílica [Buna-N], resistente a óleos minerais e graxas, além da variação de temperatura do fluido. 


Entretanto, temos que saber qual a dureza especificada do elemento vedante para cada válvula, pois temos inúmeros tipos de borrachas. O durômetro Shore é o instrumento utilizado para medir a dureza, principalmente nos elastômeros, pois além de detectar sua resistência, informa também as propriedades viscoelásticas do material. 

O método consiste em medir a profundidade da impressão deixada no material com a aplicação de uma carga, consequentemente informando a sua resistência a essa carga [dureza]. 

02/12/2013

Alstom instala a maior turbina eólica offshore do mundo

A empresa francesa Alstom acaba de instalar a maior turbina eólica offshore do mundo, que já está produzindo energia perto do porto de Ostend, na Bélgica. A turbina, com lâminas de 73 metros e uma torre de 78 metros, poderá armazenar mais 15% de energia que as turbinas eólicas offshore existentes hoje.
 
O equipamento irá gerar energia para cerca de cinco mil casas e requer menos manutenção que outros modelos usados para armazenamento de energia eólica offshore. Isto apenas é possível porque o modelo Heliade tem menos partes mecânicas e opera sem caixa de velocidades, enquanto o gerador permanente incorporado no corpo da turbina a  torna mais fiável e eficiente ao nível dos custos.
 
 
A plataforma, tipo jaqueta, de 61 metros foi instalada sobre pilares fixados em uma profundidade superior a 60m. Desta maneira, os três elementos da torre de 78m são gradualmente montados sobre a plataforma. No final, as naceles ficam instaladas a uma altura superior a 100m do nível do mar. O peso total da turbina e estrutura somam 1500 toneladas.
 
Esta turbina foi testada em Le Carnet, na França, e obteve com sucesso o reconhecimento da IEC (International Electrotechnical Comission), em 2012. Agora, a Alstom vai poder confirmar a excelência da performance num ambiente para o qual a turbina foi especificamente desenhada. Segundo o Inhabitat, a turbina foi instalada com o apoio da Belwind.
 
“Este projeto com a Belwind comprova nossa liderança tecnológica e nossas habilidades inovadoras. A instalação de nossa turbina, que é simples, robusta e eficiente, está contribuindo para impulsionar a competitividade da energia eólica offshore,” afirmou o Vice-Presidente Sênior da Alstom Wind, Alfonso Faubel.

27/11/2013

Projeto Safe Flame apresenta solda com água

O projeto europeu Safe Flame (chama segura) apresentou os resultados de sua "solda a água". Apesar do ceticismo inicial, os resultados parecem ter agradado os inúmeros parceiros que se uniram na empreitada.

O aparelho de solda "a água" na verdade usa os gases hidrogênio e oxigênio, que são obtidos na hora por meio da eletrólise da água. A queima pode ser feita em um maçarico comum, oferecendo uma alternativa aos processos de oxi-acetileno e oxi-propano.

O oxigênio e o hidrogênio são gerados separadamente, e a mistura é controlada para oferecer uma estequiometria precisa - a proporção ideal entre os dois gases, mesmo quando é necessário alterar o tamanho da chama durante o processo de soldagem.

O comprimento da chama e o fluxo de calor podem ser ajustados conforme a necessidade alterando a potência elétrica de entrada, o que é feito por meio de um botão.

Segundo os coordenadores do projeto, o principal objetivo, que foi alcançado, era produzir um equipamento de solda mais seguro, que não dependesse dos cilindros de armazenamento de gás e que pudesse funcionar em qualquer lugar.

Os cilindros de gás, além de custarem caro, impõem restrições de segurança adicionais que encarecem o processo para pequenas empresas. A Safe Flame funciona apenas com uma entrada de água e uma tomada comum de 220 volts.

E a solda resultante também é de ótima qualidade: segundo a equipe, a temperatura da chama é alta, o fluxo de calor é elevado e a transferência de calor é uniforme. O aparelho de solda a água mostrou-se adequado para soldar diversos materiais, entre os quais cobre, alumínio e aço.

Fonte: Inovação Tecnológica

20/11/2013

Ônibus elétrico brasileiro movido 100% a bateria

O primeiro ônibus elétrico brasileiro movido 100% a bateria foi apresentado nesta terça-feira (19) em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. De acordo com a empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), uma unidade do veículo fará a operação de testes, a partir de dezembro, percorrendo o corredor Diadema-São Paulo.
Na primeira fase, o chamado E-Bus se deslocará sem passageiros. Porém, entre janeiro e junho próximos, começará a levar usuários no percurso. Sua capacidade máxima é de cerca de 150 pessoas.
"Dentro de 1 ano, queremos começar a substituir a frota a diesel e os trólebus pelos elétricos a bateria", disse Jurandir Fernandes, secretário de transportes metropolitanos do estado de São Paulo.
Segundo ele, a ideia é começar com cerca de 30 ônibus elétricos no corredor até o final de 2014. O próximo passo deve ser a implementarão dos veículos no corredor Jacu-Pêssego. Não foram divulgados valores do projeto.
Como funciona
Além de não emitir gases poluentes, uma vantagem em relação aos ônibus a diesel, o E-Bus não necessita estar conectado a cabos elétricos para a rodagem, como ocorre com os trólebus. "O problema dos trolébus é que a fiação gera manutenção alta, esse novo sistema traz mais agilidade", explicou o secretário Jurandir Fernandes.
  •  
bateria ônibus elétrico (Foto: Reprodução/TV Globo)São usadas 14 baterias como esta
(Foto: Reprodução/TV Globo)
"No projeto, utilizamos a mesma base dos trólebus [ônibus que recebem energia por meio de cabos elétricos], mas trocamos o sistema conexão aos cabos pelas baterias", explicou Paulino Hiratsuka, engenheiro da Metra.
O E-Bus possui autonomia para rodar 200 km com a carga da bateria. De acordo com a Eletra, empresa responsável pela interface de conexão entre o chassi e o sistema elétrico, é o 1º ônibus elétrico a bateria com 18 metros de comprimento no mundo.
Para serem recarregadas totalmente, as 14 baterias, que ficam no teto, necessitam de 3 horas, mas o veículo também possui sistema para recargas rápidas, que levam 5 minutos, dando mais 11 km de autonomia. Há um posto de recarga longa, de 3 horas, na sede da Metra, que administra o Sistema Metropolitano de Transportes, em São Bernardo, e outro, de recarga rápida, em Diadema.
O ônibus é fruto de uma parceria entre Eletra, Mitsubishi Heavy Industries e Mitsubishi Corporation. O chassi é produzido pela Mercedes-Benz, em São Bernardo, enquanto o sistema de baterias foi desenvolvido pela Mitsubishi.
Nesta fase de testes, as baterias, assim como os postos de recarga, vieram do Japão, mas o projeto já prevê a nacionalização destes componentes.
De acordo com Hiratsuka, as baterias de íon-lítio tem vida útil de 10 anos. As empresas não divulgaram o custo do veículo nem o de sua manutenção.
Teste em Salvador
A cidade de Salvador também iniciará testes com um ônibus elétrico no próximo dia 27. O veículo é importado da China pela empresa BYD. Segundo a secretaria estadual de Cidade Sustentável, ele vai circular por duas semanas em uma linha que passa por quase toda a orla da capital baiana e será identificado, para que os passageiros saibam que se trata de um elétrico.
Hibribus (Foto: Divulgação )Hibribus, de Curitiba (Foto: Divulgação )
Híbridos em Curitiba
Em 2012, a cidade de Curitiba começou a utilizar ônibus híbridos feitos no Brasil. Movidos a eletricidade e biodiesel, os veículos são produzidos pela Volvo e reduzem em 90% a emissão de poluentes, na comparação com os ônibus convencionais.
Chamado de Hibribus, é mais silencioso, não emite ruídos em cerca de 30% do tempo de operação. O modelo é fabricado na unidade da montadora Volvo em Curitiba, a primeira a produzir o Hibribus fora da Suécia, sede mundial da marca. Os ônibus híbridos começaram a ser fabricados no país em junho de 2012.
Fonte: Rafael MiottoDo G1, em São Bernardo do Campo (SP)

24/10/2013

Primeiro voo com bioquerosene comemora o Dia do Aviador

A aviação brasileira realizou na quarta-feira, 23 de outubro [Dia do Aviador] o primeiro voo comercial com bioquerosene [um biocombustível] utilizado pela companhia Gol Linhas Aéreas para na rota São Paulo-Brasília. 



A aeronave, da marca Boeing, decolou do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, com destino ao Presidente Juscelino Kubitschek, em Brasília.
Conforme comunicado da Gol, a utilização de bioquerosene pode reduzir em até 80% o efeito de emissão de gases de carbono. A companhia espera implantar o uso desse biocombustível em 200 rotas durante a Copa do Mundo de 2014.
Dados da Associação Brasileira de Empresas Aéreas (Abear), apontam que 43% do custo das passagens no país corresponde ao valor do combustível.
O presidente da Gol, Paulo Kakinoff, pediu "mais políticas públicas" para promover o uso dessa tecnologia e reduzir o custo que se tem com os atuais combustíveis fósseis. No entanto, o ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, considerou que ainda é cedo para falar dessas políticas na aviação do país.
A tecnologia de combustível renovável foi desenvolvida pela empresa americana Amyris, em sua filial no Brasil.  
Fonte: EFE

14/10/2013

Ford: Tecnologias de Segurança para o futuro

A participação da Ford no InteractIVe – projeto de pesquisa que tem como objetivo estimular o desenvolvimento de tecnologias de segurança para o futuro – começa a dar os primeiros resultados. Durante um evento na Bélgica, a montadora revelou duas novas tecnologias autônomas.
A primeira delas não se trata exatamente de algo inovador, mas sim de uma evolução do atual sistema "Active Park Assist", que auxilia o motorista na hora de estacionar. Ao contrário da tecnologia antiga, que ainda precisava do condutor para acelerar e frear, a versão mais sofisticada faz todo o trabalho sozinho.
Além da praticidade, o motorista também ganha em conforto, já que pode permanecer fora do carro e apertar um botão para que o carro saia da vaga sozinho, evitando aquele contorcionismo para entrar no carro em uma vaga apertada.
A outra novidade é o "Obstacle Avoidance", tecnologia anti-colisão que utiliza sensores e uma câmera para detectar obstáculos localizados até 200 metros a frente do veículo. Se o sistema identificar um objeto e fizer a leitura de que irá ocorrer uma colisão, um aviso sonoro ecoa na cabine.
Caso o alarme seja ignorado, o próprio sistema intervém desacelerando o carro ou contornando o objeto. Obviamente, a tecnologia também é capaz de detectar se não há nada nos pontos cegos do motorista ou ao lado do obstáculo.
Assista a tecnologia da empresa no vídeo (em inglês) abaixo:
Fonte: Marcelo Moura/ Car and Driver Brasil

24/08/2013

O que é Ciclo Dual?

Essa postagem surgiu do contato do leitor Maicon acerca do Ciclo Dual!

Perguntas: Qual é o melhor entendimento para este tipo de ciclo, já que as literaturas normalmente dizem que ele é apenas um ciclo que pode representar melhor as variações de pressão do que o ciclo Otto e o ciclo Diesel, como isso se explica? Ele é uma descrição mais objetiva dos ciclos Otto e Diesel? A seguir, um resumo das informações que consegui coletar visando explicar da melhor maneira possível! Entretanto, sugiro que os leitores que tiverem mais informações comentem abaixo!
O ciclo Misto, Dual ou Ciclo de Sabathé, representado pela figura abaixo, é um compromisso entre ambos os ciclos e o que melhor descreve a operação dos motores diesel de alta rotação. Neste ciclo a combustão ocorre em duas fases, com parte do calor sendo fornecida a volume constante e o restante sendo fornecido à pressão constante.
Figura 1: diagrama pV

O ciclo duplo consiste seguintes operações:
1. 1-2 compressão adiabática
2. 2-3 adição de calor a volume constante.
3. 3-4 adição de calor a uma pressão constante.
4. 4-5 expansão adiabática.
5. 5-1 Rejeição de calor a volume constante.
O ciclo de combustão dupla (também conhecida como ciclo Trinkler) é um ciclo térmico que é uma combinação do ciclo Otto e o ciclo Diesel, introduzido pela primeira vez, pelo engenheiro russo-alemão Gustav Trinkler. O calor é adicionado, em parte em volume constante e, em parte, a uma pressão constante, a vantagem desse processo é mais tempo disponível para o combustível queimar completamente. Devido às características do combustível este ciclo é invariavelmente usado para motores de ignição de diesel à quente.
No ciclo Otto o processo de combustão ocorre a volume constante, enquanto que o ciclo Diesel representa a combustão ocorrendo à pressão constante. No entanto, na prática estes dois ciclos não representam o ciclo de funcionamento real do motor. No ciclo Otto a combustão a volume constante pressupõe uma combustão instantânea.

20/08/2013

Resolvido: Uma tábua uniforme de 50 N suporta duas crianças, que pesam 500 N e 400 N, respectivamente


Uma tábua uniforme de 50 N suporta duas crianças, que pesam 500 N e 400 N, respectivamente, conforme a figura. Estando o suporte da gangorra sob o centro de gravidade da tábua e a criança de 500 N a 1,2 m do centro, determine:
a) a força para cima, em Newton, exercida pelo suporte sobre a tábua;
b) onde a criança de 400 N deve sentar-se, a fim de equilibrar o sistema.

Resolução do exercício:

Lembrar sempre de observar a figura, pois dessa forma fica mais fácil de visualizar o problema!


a) O somatório das forças na direção y deverá ser igual a zero, ou seja, ΣFy = 0 

Sendo assim, considerar a força P(N) na direção y (para baixo) que tem como valor 50N igual a zero:


N − P(A) − P(N) − P(B) = 0

N − 500 − 0 − 400 = 0

N − 900 = 0

N = 900N



b) Para que o sistema fique em equilíbrio, o somatório dos momentos deverá ser igual a zero, ou seja, ΣMo =  0. 

Considerando como centro de equilíbrio o ponto em que o suporte da gangorra está apoiado (centro de gravidade da tábua), os momentos das duas crianças serão:

M = F * d

 M(A) = 500 * 1,2

M(A) = 600Nm

&

M(B) = − 400 * x


Aplicando o equilíbrio do sistema, teremos:

ΣMo = 0

(600) − (400 * x) = 0

400 * x = 600

x = 600 / 400

x = 1,5m

17/08/2013

Exercício resolvido: Um grifo foi utilizado para rosquear um tubo de d = 20mm a uma luva


Um grifo foi utilizado para rosquear um tubo de d = 20mm a uma luva como mostra a figura. Determinar a intensidade da força F exercida pelo grifo no tubo, quando a força de aperto aplicada for 40N.

Resolução do exercício:

Lembrar sempre de observar a figura, pois dessa forma fica mais fácil de visualizar o problema!

Dados:

dA = 180mm
FA = 40N   
dB = 30mm 
FB = ?         





Notas:

1. Para determinar o valor da força aplicada no tubo o sistema de forças [FA][FB] deverá estar em equilíbrio!

2. Para o ponto de referência [A] estar em equilíbrio a soma dos momentos tem que ser igual a zero! 

3. Momento de uma Força Aplicada é o mesmo que Torque. Sendo assim, todas as unidades de medida no exercício deverão ser apresentadas com a unidade padrão do Torque que é Newton (N)!

Logo: 

∑MA= 0

FA * dA = FB * dB


40 * 180 = F * 30 


F = (40 * 180) / 30


F = 240N        

16/08/2013

Exercício Resolvido: Determinar a intensidade da força F, para que atue no parafuso o torque de 40 Nm

Resolução do exercício:

Lembrar sempre de observar a figura, pois dessa forma fica mais fácil de visualizar o problema!

Dados:

MA = 40Nm
d = (CA/cos23º) 
F = ?             



  




Notas:

1. Observando a figura, veremos um triângulo retângulo com um dos lados (cateto adjacente) no valor de 20 cm. O valor de [a] vai representar a hipotenusa. Entretanto, não temos o valor do cateto oposto ao ângulo de 23º!

2. A distância [a] é a resultante de uma fórmula da trigonometria para encontrar a hipotenusa quando não temos o valor de um dos catetos (cosseno do ângulo = cateto adjacente/hipotenusa)! 

3. Torque é igual a Momento de uma Força Aplicada. Sendo assim, todas as unidades de medida no exercício deverão ser convertidas para a unidade padrão do Torque que é Newton por metro (Nm)!


Logo:

d = (CA/cos23º) 
d = 20/cos23º = 21,72cm

Transformando para metros = 0,217m

MA = F * d

Substituindo:

40 = F * 0,217
40 = 0,217 F (segue regra de três)

Sendo assim:

F = 40/0,217

Resposta:

F = 184,3 N

12/08/2013

Ônibus elétricos recarregáveis sem fio

Uma tecnologia que promete mudar as perspectivas do mercado de carros movidos à eletricidade começou a ser testada em dois ônibus na Coréia do Sul: a recarga sem fio. Conhecidos como Veículos Elétricos Online (Olevs, na sigla em inglês), esses meios de transporte podem encher suas baterias enquanto rodam sobre trechos de asfalto especialmente equipado.
Ao invés de ter que parar para se conectarem, os ônibus recolhem energia de cabos colocados sob as ruas por meio de uma tecnologia chamada Campo Magnético Estruturado em Ressonância (SMFIR, na sigla original), desenvolvida pelo Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coréia.
O funcionamento dessa tecnologia tem baixo custo, já que os cabos de força só precisa ser instalados em 5 a 15% da rota e só são ativados quando os veículos passam por cima deles, reduzindo o uso de força. Além disso, o sistema possui grande eficiência, utilizando 85% da energia que é emitida pelas linhas.
Presente e futuro
Atualmente, os dois ônibus estão circulando em uma linha especial de cerca de 24 km na cidade de Gumi. Os governantes do município pretendem ampliar a frota de Olevs para 12 veículos até 2015. Com relação ao resto do mundo, há planos de implantar a tecnologia no aeroporto de Kuala Lumpur, na Malásia, e em Park City, no estado norte-americano de Utah.
Ainda assim, é difícil imaginar a utilização da SMFIR como algo prático para os carros de passageiros comuns, já que envolveria obras em todas as vias públicas, em todos os lugares, caso contrário não beneficiaria igualmente todos os cidadãos.

09/08/2013

A importância dos amortecedores dos carros

O técnico da Nakata, Eduardo Guimarães, ressalta que amortecedores são indispensáveis para garantir o desempenho e a estabilidade do carro, assim, sendo itens de segurança do carro tão importantes quanto o sistema de freios, airbag, cinto de segurança e pneus. "A função básica do amortecedor é fazer com que o pneu mantenha contato com o solo. 

Ele freia o movimento de oscilação da mola, mantendo o pneu em contato com o chão, e, quando em perfeitas condições, permite ótima estabilidade direcional, seja na ré, linha reta ou em curvas", explica Eduardo.
De acordo com o especialista, um amortecedor em boas condições também é responsável por diminuir o espaço de frenagem, tornando, assim, o veículo mais seguro. "Em uma curva, há melhor controle do veículo. Enfim, todas as funções de rodagem em baixa, média ou alta velocidade apresenta melhor dirigibilidade", enfatiza, lembrando que a peça também é um item de conforto, já que absorve os impactos das irregularidades de ruas e estradas.

O funcionamento correto do amortecedor depende do bom estado de todo o conjunto de suspensão, juntamente com bandeja, mola helicoidal, pivô, terminal, bieleta, entre outras. Por isso, o mecânico deve orientar seu cliente sobre a importância de manter todo o sistema com a manutenção em dia. 


Conjunto de Amortecedores

A recomendação da Nakata é fazer as primeiras verificações deve ocorrer a partir dos 40 mil km, mas a qualquer indício de mau funcionamento, como balanço excessivo do automóvel, ou seja, quando a ação da mola atua diretamente na roda sem a frenagem hidráulica do amortecedor, deve-se fazer revisão e, se for o caso, substituir a peça. "Um amortecedor comprometido traz desconforto aos ocupantes, maior desgaste de pneus e dificuldade na condução do automóvel", finaliza Eduardo.

Fonte: Revista "O Mecânico"

29/07/2013

Transmissão automática de nove velocidades

A Mercedes-Benz anuncia o lançamento de sua primeira transmissão automática de nove velocidades para veículos leves, a 9G-Tronic, que equipará o motor E 350 BlueTEC, de seis cilindros a diesel. Segundo a montadora, que desenvolveu a própria tecnologia, a nova caixa de transmissão se destaca pelo alto nível de eficiência e de consumo de combustível: 5,3 litros por 100 quilômetros, na versão do propulsor Saloon, e de 5,5 litros na versão Estate, o que corresponde aos níveis de emissão de CO2 de 138 g/km e 144 g/km, respectivamente. O novo propulsor foi testado em um Classe E.
Para desenvolver a nova caixa de transmissão, os engenheiros da marca concentraram esforços numa construção mais leve e compacta. Apesar de duas engrenagens adicionais, o novo câmbio reduziu de peso e mantém quase o mesmo tamanho de seu antecessor. Parte da carcaça do conversor de torque é feita de alumínio, enquanto que a caixa de transmissão contém partes com liga de magnésio mais leve.
O motor E 350 BlueTEC equipado com a transmissão automática 9G-Tronic já está disponível para encomenda e a Mercedes-Benz prevê seu lançamento no mercado em setembro próximo. Os preços dos motores para a Alemanha – o que é incomum ser divulgado no Brasil – partem de € 54.710 para a versão Saloon e € 57.923 a Estate. Segundo especificações, a transmissão é adequada para veículos premium comuns, bem como híbridos e plug-ins e será utilizado em quase todas as séries de modelos e motores da marca nos próximos anos. 
A Mercedes-Benz é a segunda montadora a anunciar o uso de uma transmissão automática de nove velocidades em veículo leve. A primeira foi a Land Rover, que em março, mostrou durante o Salão de Genebra, na Suíça, o Range Rover Evoque equipado com o novo câmbio desenvolvido pela ZF.

15/07/2013

Synergy: o avião popular

Você pode nunca ter ouvido falar no Synergy, mas o projeto pode mudar a forma como você se locomoverá no futuro. A proposta de John McGinnis ao projetar a aeronave foi a de entregar um meio de transporte veloz, eficiente, barato e seguro.  Ao que tudo indica, o Synergy será o primeiro avião de uso pessoal e baixo custo a ser comercializado para cidadãos comuns, da mesma forma que os carros são hoje.
 
O que faz o projeto ganhar a atenção da mídia e investidores? Ao contrário de outros protótipos, aqui você tem a garantia de que qualquer pessoa que aprenda o básico da pilotagem possa transportar sua família e amigos com segurança, economia e muita velocidade.
 
O avião projetado por McGinnis conta com asas em formato de caixa, que foram inspiradas nas ondas do mar. Elas ajudam a diminuir a resistência aerodinâmica e a aumentar a estabilidade sem que seja necessária uma enorme envergadura, o que consumiria mais combustível.
 
Isso é um fator crucial para que a aeronave seja econômica. Seu tamanho reduzido não impede que a Synergy seja um meio de transporte para a família toda. Com capacidade para cinco pessoas (e um segundo projeto pronto para receber sete viajantes), a aeronave também promete ser extremamente silenciosa.
 
Outra aposta para popularizar o modelo está em opções de adaptação nos motores, assim, seus donos podem também transformar os veículos em aeronaves híbridas ou elétricas, aumentando ainda mais a economia no consumo de combustíveis.
 
Além disso, o Synergy conta com um computador de bordo que é capaz de ajudar na aterrisagem em casos de emergência. Também foi previsto um paraquedas balístico, o que ajudaria a diminuir a velocidade em caso de problemas.
 
O rápido crescimento do projeto
 
A Synergy Aircraft, empresa de McGinnis, foi criada juntamente com o projeto da aeronave Synergy. O designer se reuniu com membros de sua família para dar vida ao ambicioso projeto na garagem de sua própria casa. Rapidamente, ele conseguiu ampliar sua equipe com a ajuda de voluntários da região e universitários.
 
 
Com esse time, John está concluindo a construção de um protótipo em escala real, com espaço para cinco pessoas. Em junho do ano passado (2012), a empresa conseguiu arrecadar mais de 95 mil dólares de 799 investidores com a exposição do projeto no Kickstarter – site de crowdfunding que ajuda na captação de recursos para startups.
 
Uma das maiores exposições do projeto foi em um concurso promovido pela Nasa, o Green Flight Challenge. Embora a Synergy Aircraft não tenha conseguido mostrar o protótipo em tamanho real a tempo, uma versão em escala menor com funcionamento elétrico foi capaz de fazer investidores se interessarem pelo avião.
 
Com isso, McGinnis estima que possa iniciar a fase de construção do avião em larga escala até o próximo ano e, com mais financiamento, é muito provável que a Synergy Aircraft se consolide como uma fabricante de aeronaves “caseiras”.
 
Ao mesmo tempo, McGinnis diz que já recebeu dezenas de propostas de investidores para a fabricação em série, mas neste momento a equipe estaria focada apenas na finalização do protótipo. Ele diz que este é um projeto de alto risco e que, por isso, exige que o planejamento, o cuidado e a atenção aos detalhes sejam redobrados.

24/06/2013

Nova plataforma permite produzir diversos carros das marcas Renault-Nissan

A Renault-Nissan anunciou na quarta-feira (19), que desenvolveu uma nova arquitetura que permite produzir diversos carros de diferentes segmentos e de ambas as marcas. Com o nome de CMF (da sigla em inglês para "módulo familiar comum"), a nova plataforma será usada por fábricas dos cinco continentes e de mais de 10 países até 2020. O seu maior benefício está na redução dos custos. Eles serão até 40% mais baixos durante o desenvolvimento de cada veículo e até 30% menores na aquisição de autopeças, que serão compartilhadas por vários modelos. 
 
"Teremos uma economia jamais obtida devido à abrangência de veículos que a nova arquitetura alcança", destacou a aliança em comunicado. 
 
A nova plataforma permitirá aos modelos compartilhar diversos módulos: de compartimento de motor, habitáculo, partes inferiores dianteiras e traseiras da carroceria, e até mesmo a arquitetura elétrico-eletrônica. A Renault-Nissan ressalta que a CMF não é uma simples plataforma horizontal, mas um conceito que prevê o compartilhamento de várias camadas do carro. 
 
Inicialmente, a nova arquitetura será usada para produzir globalmente 1,6 milhão de unidades por ano de 14 modelos, entre compactos e grandes, sendo 11 da Renault e três da Nissan. Mas poderá ser estendida para outros segmentos, ajudando as marcas a ampliar a gama de produtos. 
 
Os primeiros modelos da Nissan que serão montados nessa nova arquitetura, ainda em 2013, serão os substitutos do Rogue, Qashqai e X-Trail. Já a Renault recorrerá à plataforma apenas em 2014 para renovar Escape, Scénic e Laguna. 
 
Tsuyoshi Yamaguchi, responsável pela engenharia da Renault-Nissan, declarou que a CMF abre uma nova era para a engenharia, permitindo obter maiores volumes de produção e introduzir novas tecnologias mais rapidamente. Yamaguchi aponta que um mesmo produto será fabricado em vários lugares do mundo ao passo que uma única planta poderá fazer diversos modelos. "Vamos simplificar o planejamento, facilitar a gestão, ajustar a nossa capacidade global e ainda reduzir custos", finalizou.

18/06/2013

Peugeot Citroën recebeu três prêmios pelo sistema Hybrid Air

A PSA Peugeot Citroën recebeu, na Europa, três prêmios por seu sistema Hybrid Air, que combina propulsão a gasolina e ar comprimido. Entre os prêmios, estão “Prêmio das Tecnologias do Futuro MAAF”, o prêmio de inovação “Fleet World Honours” e o “Engine Technology Development Of The Year”, atribuído à Bosch, parceira da PSA na tecnologia.

Segundo a fabricante de automóveis, o Hybrid Air é uma tecnologia inédita, composta por um grupo motopropulsor “full-hybrid”, sem bateria, associando gasolina e ar comprimido. O conjunto combina um motor a gasolina com uma bomba hidráulica, armazenamento de energia na forma de ar comprimido e transmissão automática.




O motor ainda escolhe de maneira autônoma um dos três modos de funcionamento disponíveis: Zero emissão, térmico a gasolina ou misto. A PSA acredita que essa tecnologia híbrida é uma etapa essencial rumo à meta de se fazer um carro que tenha consumo de combustível de 50 km/l.

16/06/2013

Simulador robótico manipula e controla os comandos de voo

Do lado de fora, ele parece um grande braço robótico industrial segurando um cockpit. Mas, para o piloto dentro do simulador, tudo se parece com uma aeronave real, incluindo as paisagens ao redor e abaixo dele.
 
Depois que o piloto se senta neste que se tornou o mais moderno simulador de voo do mundo, o braço robótico posiciona-se em um lado da sala cercado de telas de alta definição de todos os lados - incluindo o teto e o chão.
 
Isso cria um ambiente totalmente imersivo, permitindo que o piloto tenha uma visão completa da paisagem ao redor, incluindo cenas reais de aeroportos.
 
Quando ele manipula os controles, os comandos de voo são convertidos em movimentos correspondentes do braço robótico em tempo real. Os pilotos geralmente estudam e são treinados em cabines montadas sobre uma plataforma móvel com seis graus de liberdade.
 
O grande inconveniente destes sistemas é o preço, variando entre 10 e 30 milhões de dólares.
 
Simulador de voo robótico
 
"Um simulador montado em um robô industrial pode reduzir estes custos para cerca de um milhão de euros [US$1,3 mi]", explica Tobias Bellmann, que desenvolveu o simulador robótico com seus colegas Johann Heindl e Olaf Gühring, todos do Centro Aeroespacial Alemão (DLR).
 
O grande feito do trio foi usar um único braço robótico para implementar o voo de forma interativa.
 
Isso significa que o piloto não precisa voar em trajetórias predefinidas - ele pode controlar a cápsula do jeito que quiser.
 
"Para nós, isso significa que os movimentos do braço robótico têm que ser calculados em tempo real - em outras palavras, muito rapidamente - porque não podem ser planejados com antecedência", explica Bellmann.
 
O simulador também pode funcionar para outros tipos de veículos, incluindo carros e até navios - para isto, basta trocar o software de controle e as cenas projetadas nas telas.

Fonte: Inovação Tecnológica

27/05/2013

Ciclista pode criar animações que aparecem nas rodas ao pedalar

Para quem gosta de andar de bicicleta principalmente no período da noite, uma empresa da Califórnia desenvolveu um sistema de luzes de LED que são colocadas nas rodas e que, ao pedalar, apresenta imagens coloridas ou animações. Este conteúdo que aparece nas rodas pode ser personalizado.
Chamado de Monkey Light Pro, da MonkeyLectric (clique aqui para acessar o site do Kickstarter), o sistema usa quatro fileiras de lizes de LED resistentes à água que são colocadas nas rodas. Um programa especial permite criar e transferir as animações para as luzes acopladas às rodas. A transferência é feita por meio de Bluetooth.
As luzes acendem ao alcançar uma determinada velocidade. A impressão é que as imagens são formadas na roda e que elas estão em movimento.
A MonkeyLectric tenta arrecadar US$ 180 mil no site de fundos "Kickstarter" para conseguir colocar o produto nas lojas. Faltando 55 dias para o final da campanha, a empresa já conseguiu obter US$ 85 mil.
As luzes serão vendidas - o preço ainda não foi definido - com algumas animações prontas, mas o usuário poderá adicionar suas próprias criações.
LEDs trazem animações para as rodas as bicicletas (Foto: Divulgação/MonkeyLectric)LEDs trazem animações para as rodas as bicicletas (Foto: Divulgação/MonkeyLectric)

As Dez Mais Lidas...

Leia também...

Válvula de retenção oscilante

  Nas válvulas de retenção de giro, o disco não é guiado uma vez que se move para a posição totalmente aberta ou totalmente fechada.  Muitos...