CELULAR VERDE CHEGA AO MERCADO BRASILEIRO

Feito a partir de garrafas plásticas recicladas, o Moto W233 Eco vai além disse em sua responsabilidade ecológica. O celular verde da Motorola é o primeiro telefone no mundo com o certificado Carbon Free, segundo a fabricante, e todo o carbono emitido na fabricação, distribuição e uso do celular será compensado com investimentos em projetos de preservação, reflorestamento e energia renovável, em uma parceria da empresa com Carbonfund.org. No Brasil, os recursos serão destinados a um programa de tratamento de água em Vargem Bonita, Santa Catarina.

Os recursos do aparelho incluem MP3 player, rádio FM que recebe informações de texto (RDS) e tecla dedicada à música, que pode ser ativada com apenas um toque. O modelo vem com um cartão de memória de 1 GB, expansível até 2 GB. Ele também permite gravar trechos de músicas do rádio FM para utilizá-los como toque no telefone.

O Moto W233 Eco traz ainda a tecnologia CrystalTalk, que melhora o áudio em ambientes com muito ruído, e o aplicativo MotoID de identificação de músicas.

O celular verde da Motorola chega ao mercado brasileiro na primeira quinzena de abril. A fabricante não divulgou o preço sugerido do aparelho.

SONDA METEOROLÓGICA CONSTRUÍDA POR ESTUDANTES DA ESPANHA REGISTRA FOTO DA TERRA

A sonda Meteotek 08 chegou a 30.000 metros de altura e conseguiu registrar esta foto impressionante da curvatura do planeta Terra. Os estudantes do ensino médio de uma escola da Espanha usaram uma câmera digital comum e um balão de borracha inflado com hélio.


PEIXE-ROBÔ

Um peixe-robô desenvolvido por cientistas britânicos deve ser lançado em 2010 no mar do norte da Espanha para detectar poluição. Se o teste dos primeiros cinco peixes-robôs no porto de Gijon, norte da Espanha, for bem sucedido, a equipe espera que eles sejam utilizados em rios, lagos e oceanos ao redor do mundo.Os robôs em formato de carpa, que custam 20 mil libras (cerca de US$ 29 mil) a unidade e medem 1,5 metro de comprimento, imitam o movimento de peixes reais e são equipados com sensores químicos para descobrir potenciais poluentes perigosos, como vazamentos de embarcações ou oleodutos submersos.

Eles transmitirão a informação para costa por meio de tecnologia de rede sem fio Wi-Fi. Para isso, contarão com ajuda de bases que também servem para recarregar suas baterias. Diferentemente do peixe-robô anterior, que precisava de controle remoto, os novos modelos poderão navegar independentemente, sem nenhuma interação humana.Rory Doyle, cientista-sênior da companhia de engenharia BMT Group, que desenvolve o peixe-robô com pesquisadores da Universidade de Essex, disse que há boas razões para se fabricar um robô em formato de peixe em vez de um mini-submarino convencional.

Peixe Robô
"Ao usar um peixe-robô, estamos utilizando um design criado há centenas de milhões de anos pela evolução e que é incrivelmente eficiente em consumo de energia. Essa eficiência é algo que nós precisamos para garantir que nossos sensores de detecção de poluentes possam navegar no ambiente aquático por horas."
Fonte: G1 Tecnologia.

Livro eletrônico com tela colorida sai por US$ 1 mil no Japão

A empresa japonesa Fujitsu anunciou nesta quarta-feira (18) o lançamento no Japão do primeiro modelo de livro eletrônico com textos e imagens a cores. A novidade eletrônica chamada Flepia – que tem 24 cm x 16 cm x 1,25 cm e pesa 385 gramas – conta com 260 mil cores. Vendido por enquanto somente no Japão, o aparelho anunciado em 2007 custa US$ 1 mil. O livro funciona 40 horas com a bateria carregada e só consome energia quando se vira a página, segundo o fabricante. Ele tem uma tela de oito polegadas (contra 3,5 polegadas do iPhone), para uma leitura mais cômoda do que em um celular. O Flepia tem tecnologias de telecomunicação sem fio (Wi-Fi, Bluetooth) e uma entrada USB, para conectar o aparelho ao computador e fazer o download de obras literárias. O Japão tem sites que oferecem cerca de 20 mil obras digitalizadas de diferentes gêneros e preço nos dois formatos de livro eletrônico reconhecidos pelo Flepia (XMDF e .book). Segundo a Fujitsu, um cartão de memória de 4 GB pode armazenar quase 5 mil títulos de 300 páginas. O Flepia também serve para ler e-mails e arquivos com documentos pessoais e profissionais. Fonte: G1 Tecnologia.

CELULAR GIGANTE

  • A Cricket, operadora dos Estados Unidos, e a Sansung mostram o maior celular - que funciona - do mundo. De acordo com o site Übergizmo, o modelo gigante do Samsung Messenger, com teclado aberto, tem 4,60 m de altura e 3,35 m de largura. A réplica pode entrar para o Guiness, o livro dos recordes.
  • Feito com partes de metal, madeira e lâmpadas, o celular gigante tem quase todas as funcionalidades do modelo normal (que cabe no bolso), faz ligações e envia mensagens de texto, e está exposto em Chicago.
  • Um vídeo no site Engadget (acessível pelo atalho http://tinyurl.com/cgrg74) mostra os criadores da réplica fazendo piadas a respeito do enorme aparelho. "A boa notícia? Vovó agora pode ver os botões. A má? Ela não poderá digitar um número sem a ajuda de um tanque de oxigênio" diz um deles.
  • "Trazer o maior celular do mundo em funcionamento para uma das maiores cidades do mundo é um ótimo jeito de mostrar os serviços da Cricket a Chicago", declarou John Noelker, um dos vice-presidentes da empresa. Mais informações sobre o projeto do celular gigante e um vídeo podem ser acessados no endereço www.getsomerespekt.com/.
  • Fonte: Geek

Empresa israelense quer transformar tráfego em fonte de energia

Uma nova companhia israelense do setor de energia quer transformar o tráfego da hora do rush em fonte de eletricidade. A Innowattech, companhia de energia afiliada ao Instituto de Tecnologia Technion de Israel, informou que geradores especiais instalados embaixo das rodovias, estradas de ferro e trilhos podem armazenar energia suficiente dos veículos que transitam nas vias para produzir eletricidade em massa. Os geradores contêm material que produz eletricidade mediante a aplicação de força mecânica, como a pressão dos pneus dos carros de passagem. O processo, conhecido como piezeletricidade, tem sido usado há anos em pequena escala, incluindo aparelhos como churrasqueiras e pisos de danceterias que acendem a cada passo. Uri Amit, presidente da Innowattech, afirmou que a tecnologia da companhia será a maior aplicação de piezelétrica até agora, com uma única faixa de um quilômetro de estrada fornecendo até 100 quilowatts de eletricidade, energia suficiente para abastecer cerca de 40 casas. A tecnologia tem suas limitações, já que pode coletar um fluxo estável de eletricidade somente de estradas e trilhos agitados. Mas Amit disse que, em todo caso, o pico de demanda energética da manhã e da noite coincide com tráfego pesado do começo e do final de um dia útil. "Nós podemos produzir eletricidade em qualquer lugar onde haja uma estrada agitada usando energia que normalmente é desperdiçada", explicou Amit. Ele acrescentou que o primeiro programa piloto deve começar nos próximos meses em uma faixa de 30 metros de uma rodovia fora de Tel Aviv, e que projetos similares de âmbito internacional podem surgir em 2010. Efstathios Meletis, presidente do Departamento de Engenharia e Ciência de Materiais da Universidade do Texas, em Arlington, afirmou que a tecnologia da Innowattech era "uma ideia que teoricamente poderia executada". Mas problemas, disse ele, podem surgir na implementação e coordenação necessárias para enterrar os geradores nas vastas rodovias e trilhos ferroviários. Um dos obstáculos foi encontrar um modo de acondicionar os geradores para que sejam eficazes quando enterrados nas estradas. O cientista-chefe da companhia, Eugeny Harash, desenvolveu um recipiente que age como asfalto. Os geradores são então colocados na rodovia durante trabalhos de manutenção programados em 30 centímetros quadrados. "Os asfalto é elástico e a pressão de cada pneu é apanhada pelo gerador, que é enterrado a cerca de 3 centímetros abaixo da superfície da estrada", disse Harash. "Os motoristas nem mesmo sentirão uma diferença". O material piezelétrico dura pelo menos 30 anos, bem mais do que a maioria das rodovias, completou ele. A companhia informou que a meta do custo de geração é de US$ 0,03 a US$ 0,10 centavos por quilowatt/hora, dependendo da intensidade do tráfego. Fonte: Reuters.

MULHERES NA MECÂNICA DE AUTOMÓVEIS

As mulheres já estão emprestando seu profissionalismo também no universo da mecânica de automóveis, outro reduto profissional tipicamente masculino. Quem vê a carinha de menina, não diz que Angela Demetrio é uma técnica em automobilística e trabalha em uma das maiores autorizadas da Ford, em Santa Catarina, no setor de mecânica. Ela é a única na ativa na Grande-Florianópolis que se tem conhecimento. Com apenas 21 anos, formada pelo Senai (Serviço Nacional da Indústria) em dezembro de 2006, ela já atua no ramo há mais de um ano.
Angela enfrenta milhares de desafios diários e, por se tratar de uma mulher com força física inferior a da maioria dos homens, às vezes, precisa aceitar seus limites e pedir ajuda para afrouxar alguns parafusos e porcas. “Mas fico furiosa comigo quando isso acontece”, confessa a menina-mulher que já ensaia seus primeiros passos rumo a um futuro que ela pretende construir cursando a faculdade de engenharia. Na juventude tudo é possível. Preconceito e discriminação são atitudes que boa parte dos jovens pretende banir do mundo. Algumas mulheres são levadas a assumirem “papéis masculinos” pela necessidade, mas outras o fazem por enfrentamento. No entanto, não se pode negar que o mundo inteiro está reavaliando uma série de conceitos. Alguns homens também já estão entrando em territórios dantes femininos e desbancando muitas de nós na cozinha e em outras atividades domésticas. Os dois sexos estão se permitindo experimentar a vida na esperança sempre de alcançar a harmonia, o bem estar. “A profissão tem outros desafios que todos nós enfrentamos. A tecnologia de automóveis se renova quase que diariamente. A gente está sempre tendo que aprender mais e mais. Não se pode reclamar de rotina”, explica a mecânica. Angela já passou por cursos em São Paulo e Porto Alegre de elétrica básica e em equipamentos de diagnóstico – que fazem leitura de problemas com injeção eletrônica, por exemplo. Os colegas de trabalho dizem que ela é companheira deles e não fazem distinção de sexo. Eles se ajudam mutuamente para atingir a satisfação do cliente que é o objetivo final da equipe. Ela não tem pressa de aprender e está sempre pronta para ir onde seu gerente a enviar e trabalha em outras lojas sempre que solicitada. “Estou sempre aprendendo com gente que está no ramo há muito mais tempo que eu”, esclarece a profissional. Angela não sabe se os colegas já se acostumaram a sua presença. “Eu vim na cara e na coragem para enfrentar qualquer coisa, mas acredito que eles me levam a sério”, completa. Como Angela foi parar na oficina: Angela chegou na empresa para trabalhar na recepção. Como a garota sempre prima por fazer um trabalho de excelência buscando reconhecimento, entrou no curso do Senai com o objetivo de esclarecer melhor a clientela a respeito das panes que aconteciam nos veículos. “Sempre quis desde menina trabalhar em profissões ditas como masculinas. Eu queria seguir a carreira militar, mas teria que sair daqui e meus pais não deixaram. Eu não havia premeditado trabalhar na oficina. Tenho um irmão que é mecânico, mas nunca estive nesse ambiente antes e nem fui influenciada por ele. Eu queria mesmo aprimorar meu trabalho na recepção. Eu não entendia nada de mecânica de automóveis. Mas quando fui fazer o curso, tomei gosto pela atividade e fiquei pedindo para o meu gerente me deixar trabalhar na oficina. Na sala de aula eu era a única mulher. Sabia que enfrentaria vários obstáculos. Meu pai quase chorou quando eu disse que ia sair da recepção para a oficina. Às vezes, ainda me pede para sair. A mãe já é mais parceira, embora ache que o trabalho é muito pesado para mim. Realmente, chego em casa , tomo um banho, como alguma coisa e caio na cama cedo”, relata ela, orgulhosa por sua escolha.

O QUE ACONTECE QUANDO O MOTORISTA TROCA A MARCHA DO CARRO?

Para decifrar este enigma veja a animação em vídeo que encontrei no YOUTUBE. Impressionante como um sistema de transmissão de torque (força), formado por engrenagens transfere para as rodas do carro (através do elemento diferencial), velocidades diferentes de acordo com a marcha escolhida pelo motorista. Isto mesmo, quando este motorista pisa no acelerador, ele só está aumentando o giro (RPM) do motor: a velocidade atingida no velocímetro marcador do painel dos carros é conseguida com a alteração das marchas. Observe:

As Dez Mais Lidas...

Leia também...

FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS À MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO SIGNIFICA ATINGIR METAS PARA ATINGIR AS METAS É IMPORTANTE DEFINIR QUAIS SERÃO AS FERRAMENTAS APLICADAS À GESTÃO D...